Até domingo — Ano A

Primeiro Domingo de Advento

Praticai ações que se conformem ao arrependimento que manifestais

Até domingo

Oração diária a partir do evangelho do domingo seguinte. Uma proposta traduzida e adaptada do original em francês apresentado em «vers dimanche».

Segunda, 21 de novembro

Adivinha o que está a chegar

No próximo domingo, entramos no tempo de Advento. A Igreja oferece-nos um tempo para preparar e acolher aquele que vem às nossas casas, às nossas cidades, ao nosso universo. Bem, ele já veio. Jesus nasceu da Virgem Maria. Mas, na sua vida, falou várias vezes aos discípulos sobre a sua vinda. É o que nos lembra o evangelho do Primeiro Domingo de Advento. Então, o Natal é o aniversário de Jesus ou é uma festa para nos preparar para a vinda do Ressuscitado? Hoje, é necessário que uma vida mais forte do que a morte violenta venha à nossa terra… Ao pensar em todos os momentos e lugares em que a ressurreição é esperada, rezo: Vem, divino Messias!

Terça, 22 de novembro

Surpresa

Para falar aos discípulos sobre a sua vinda, Jesus faz referência à história de Noé, a história do dilúvio em que as pessoas «não deram por nada». Hoje, as pessoas continuam a não dar por nada. Como no tempo de Noé, a maldade e a crueldade dos humanos parece dominar a terra. Jesus previne os discípulos: a sua vinda será uma surpresa, sem que alguém esteja à espera… Nem eu! Ao pensar em todos os momentos e lugares em que nada se espera, rezo: Vem, divino Messias!

Quarta, 23 de novembro

Ai!

A vinda de Jesus trará a verdade à terra. Isto significa que será pronunciado um juízo, haverá um julgamento. Nos dias de Noé, o dilúvio veio destruir toda a humanidade que, em geral, já tinha feito cair sobre si mesma um vendaval de violência. Então, a violência dos seres humanos volta-se contra eles e fá-los desaparecer. Nos dias do regresso de Jesus, de duas pessoas, uma será tomada, outra deixada. Não há compromisso possível: o justo resplandecerá com a sua justiça para sempre, o que cometeu o mal desaparecerá para sempre. A vitória da vida será clara. As duas serão separadas como no início, quando o Senhor separa a luz das trevas. Ao pensar em todos os momentos e lugares em que a violência parece triunfar, rezo: Vem, divino Messias!

Quinta, 24 de novembro

Vigiai

Jesus não quer meter-nos medo ao contar estas histórias. Ao contrário, procura educar-nos para a esperança, uma vigilância ativa que nos prepare para o receber no dia da sua vinda. Ao pensar em todos os momentos e lugares em que a espera parece interminável e a esperança interdita, rezo: Vem, divino Messias!

Sexta, 25 de novembro

Não sabeis

Reconheçamo-lo: nós detestamos não saber. Por isso, Jesus previne os discípulos: «não sabeis em que dia virá o vosso Senhor». Alguns procuram contornar a situação através do horóscopo, outros dando crédito aos videntes que dizem ter revelações privadas… É penoso não saber! Ao pensar em todos os momentos e lugares em que o entregar-se e o confiar-se ao outro parecem impossíveis, rezo: Vem, divino Messias!

Sábado, 26 de novembro

Compreendei

Jesus bem sabe que se refere a uma coisa difícil. É por isso que conta uma última história cheia de sentido: o dono da casa e o ladrão que aparece quando não se espera. A vinda do Senhor será imprevisível, inesperada, repentina, imprevista. Se Jesus insiste tanto, é porque este ensinamento diz respeito a alguma coisa essencial. Ao pensar em todos os momentos e lugares em que não compreendo o que me é dito, rezo: Vem, divino Messias!

Domingo, 27 de novembro

Aos vossos lugares, preparados, partida!

Preparar o Natal passa, evidentemente, pelo presépio, pela árvore, pelas decorações luminosas nas ruas, pelo prazer de pensar nos presentes. O evangelho lembra que se trata também de estar vigilante e preparado para a vinda de alguém que — estamos avisados — surpreenderá, pelo menos, como um presente que recebemos sem contar. A vinda de Jesus assinalará a vitória definitiva da luz da vida sobre as trevas da morte: tal é o significado da coroa. A vinda de Cristo abrir-nos-á o acesso à árvore da vida: tal é o sentido da árvore. A vinda do «Filho do homem» far-nos-á nascer para uma vida nova: tal é o que acontece no presépio. Então, sim, vem, divino Messias!

Evangelho

Mateus 24, 37-44

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Como aconteceu nos dias de Noé, assim sucederá na vinda do Filho do homem. Nos dias que precederam o dilúvio, comiam e bebiam, casavam e davam em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca; e não deram por nada, até que veio o dilúvio, que a todos levou. Assim será também na vinda do Filho do homem. Então, de dois que estiverem no campo, um será tomado e outro deixado; de duas mulheres que estiverem a moer com a mó, uma será tomada e outra deixada. Portanto, vigiai, porque não sabeis em que dia virá o vosso Senhor. Compreendei isto: se o dono da casa soubesse a que horas da noite viria o ladrão, estaria vigilante e não deixaria arrombar a sua casa. Por isso, estai vós também preparados, porque na hora em que menos pensais, virá o Filho do homem.

© Secretariado Nacional de Liturgia