Browsing Tag

Lucas

StaMaria17_SITE
Liturgia, Maria, Natal,

Maria conservava todos estes acontecimentos, meditando-os em seu coração

no comment

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” gutter_width=”3″ padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” column_padding_mobile=”on”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Subtítulo superior” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” text_font=”|||on|” text_text_color=”#f99f1c” custom_margin_last_edited=”on|tablet” custom_margin=”-20px|||” text_line_height=”1em” text_line_height_last_edited=”off|phone” custom_margin_tablet=”-50px|||”]

Oitava do Natal

[/et_pb_text][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”on” categories=”on” comments=”on” featured_image=”off” featured_placement=”below” parallax_effect=”on” parallax_method=”on” text_orientation=”left” text_color=”dark” text_background=”off” text_bg_color=”rgba(255,255,255,0.9)” module_bg_color=”rgba(255,255,255,0)” title_all_caps=”off” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” title_font=”|||on|” title_line_height=”1.3em” custom_margin=”-5px||-5px|” custom_margin_tablet=”-15px|||” custom_margin_last_edited=”on|desktop” title_font_size=”28px” title_font_size_last_edited=”on|desktop”] [/et_pb_post_title][et_pb_image admin_label=”Image” src=”http://labfe.pt/wp-content/uploads/2016/12/StaMaria17_G.jpg” show_in_lightbox=”off” url_new_window=”off” use_overlay=”off” animation=”off” sticky=”off” align=”left” force_fullwidth=”off” always_center_on_mobile=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_margin_last_edited=”on|desktop”] [/et_pb_image][et_pb_divider admin_label=”Divider” color=”#f99f1c” show_divider=”on” divider_style=”dotted” divider_position=”top” divider_weight=”1″ hide_on_mobile=”off”] [/et_pb_divider][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” padding_mobile=”off” custom_margin=”-15px|||” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” parallax_2=”off” parallax_method_2=”off” column_padding_mobile=”on” custom_margin_tablet=”-65px|||” custom_margin_last_edited=”on|phone”][et_pb_column type=”1_3″][et_pb_text admin_label=”Data do dia” background_layout=”light” text_orientation=”center” header_text_color=”#794e0e” text_text_color=”#794e0e” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” header_font_size=”26″]

1. Janeiro. 2017

[/et_pb_text][et_pb_divider admin_label=”Divider” color=”#ffffff” show_divider=”off” divider_style=”solid” divider_position=”top” divider_weight=”1″ hide_on_mobile=”on” height=”5″] [/et_pb_divider][et_pb_image admin_label=”ASPAS” src=”http://labfe.pt/wp-content/uploads/2016/01/aspas_cima.png” show_in_lightbox=”off” url_new_window=”off” animation=”top” sticky=”on” align=”center” force_fullwidth=”off” always_center_on_mobile=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_margin=”||-20px|” use_overlay=”off”] [/et_pb_image][et_pb_testimonial admin_label=”Citação” url_new_window=”off” quote_icon=”off” use_background_color=”off” background_color=”#f5f5f5″ background_layout=”light” text_orientation=”left” quote_icon_color=”#c67e16″ body_text_color=”#c67e16″ use_border_color=”on” border_color=”#ffffff” border_style=”dotted” custom_margin=”5px|5px|5px|5px” custom_padding=”15px|15px||15px”]

Maria conservava todos estes acontecimentos, meditando-os em seu coração. Ela conhecia parte da verdade. Há de tornar-se guardiã e mediadora do mistério daquele Menino, no qual se encontram e se reconciliam o divino e o humano. Por enquanto, a realidade é demasiado ampla para ser compreendida de um só fôlego; é preciso ir meditando-a no coração. Que belo testemunho de fé contemplada! No primeiro dia do ano (1 de janeiro), a liturgia celebra a solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus.

[/et_pb_testimonial][et_pb_divider admin_label=”Divider” color=”#ffffff” show_divider=”off” divider_style=”solid” divider_position=”top” divider_weight=”1″ hide_on_mobile=”on”] [/et_pb_divider][et_pb_blurb admin_label=”Ficheiro PDF” url_new_window=”off” use_icon=”on” icon_color=”#794e0e” use_circle=”off” circle_color=”#f99f1c” use_circle_border=”off” circle_border_color=”#f99f1c” icon_placement=”left” animation=”off” background_layout=”light” text_orientation=”center” use_icon_font_size=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” icon_font_size=”18″ font_icon=”%%206%%” body_text_color=”#794e0e” body_font=”|||on|”]

Santa Maria 2017

[/et_pb_blurb][/et_pb_column][et_pb_column type=”2_3″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” text_font_size=”17″ header_line_height_tablet=”1em” header_line_height=”3em”]

Oito dias após a comemoração do nascimento de Jesus, a Igreja celebra a Mãe de Deus, Santa Maria. O oitavo dia do Menino é igualmente, segundo os rituais judaicos, o da circuncisão e da atribuição do nome (evangelho). As evocações de bênçãos próprias do primeiro dia do ano (primeira leitura e salmo) ligam-se com o gesto contemplativo dos pastores. E referindo-se ao “Filho, nascido de uma mulher e sujeito à Lei”, Paulo recorda que também nós somos filhos “por graça de Deus” (segunda leitura). Hoje é ainda o Dia Mundial da Paz, instituído em 1967 pelo beato Paulo VI.

Maria conservava todos estes acontecimentos, meditando-os em seu coração

No domingo após a Páscoa, a liturgia propõe o texto evangélico segundo João, no qual se diz que “oito dias depois” o Senhor Jesus Cristo voltou a encontrar-se com os discípulos, com todos! Eis consagrado o domingo como o dia do Senhor, o primeiro, o oitavo dia, o ciclo semanal do encontro com o Ressuscitado.

Em certo sentido, no primeiro dia do ano acontece o mesmo, uma vez que se dá a feliz coincidência com o domingo. Os pastores, no dia de Natal, encontraram tudo como o anjo lhes tinha dito; e “regressaram, glorificando e louvando a Deus”. Neste caso, o oitavo dia é o do pleno cumprimento dos anúncios a Maria, a José, aos pastores. Estes passam de recetores a emissores do anúncio (tal como os discípulos). Estamos na plenitude dos tempos!

Maria conservava todos estes acontecimentos, meditando-os em seu coração. Ela conhecia parte da verdade. Há de tornar-se guardiã e mediadora do mistério daquele Menino, no qual se encontram e se reconciliam o divino e o humano. Por enquanto, a realidade é demasiado ampla para ser compreendida de um só fôlego; é preciso ir meditando-a no coração. Que belo testemunho de fé contemplada!

Conservar contém a ideia de guardar na memória o que se vê e/ou escuta. Meditar remete para a capacidade de pensar sobre o que se vê e/ou escuta. São, portanto, termos que se completam mutuamente. Assim, a relação entre os dois pode-se traduzir pela capacidade em rezar, ler a vida a partir de Deus: contemplar.

Interioridade plena de paz

Conservar e meditar são atitudes de Maria que já se tinham evidenciado aquando da visita a Isabel. O Magnificat expressa a interioridade do ser que se sente agradecido pelas maravilhas realizadas por Deus. Por isso, é uma magnífica oração para ser rezada todos os dias deste “Ano Mariano”. Ao mesmo tempo, “nas mãos de Maria, Mãe do Redentor, coloquemos as nossa esperanças com confiança filial. A Ela, que estende a sua maternidade a todos os seres humanos, confiemos o brado de paz das populações oprimidas pela guerra e pela violência, para que a coragem do diálogo e da reconciliação prevaleça sobre as tentações de vingança, de prepotência e de corrupção. A Ela peçamos que o Evangelho da fraternidade, anunciado e testemunhado pela Igreja, possa falar a cada consciência e abater os muros que impedem aos inimigos que se reconheçam irmãos” (Francisco, Angelus, 1 de janeiro de 2014).

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Oração diária,

De onde vem?

no comment

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Post Title” title=”on” meta=”on” author=”off” date=”on” categories=”on” comments=”off” featured_image=”off” featured_placement=”below” parallax_effect=”on” parallax_method=”on” text_orientation=”left” text_color=”dark” text_background=”off” text_bg_color=”rgba(255,255,255,0.9)” module_bg_color=”rgba(255,255,255,0)” title_all_caps=”off” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” date_format=”j. M. Y”] [/et_pb_post_title][et_pb_text admin_label=”Text” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

Após a Páscoa, os apóstolos questionam-se: qual é o sentido da morte e da ressurreição? O que muda a partir de agora? Somos salvos — dizem eles. Mas para que Jesus nos salve, tem de vir de Deus, é preciso que ele seja Deus… Por isso, vão procurar e aprofundar a origem de Jesus. Mateus e Lucas, nos seus evangelhos, contam uma história, o evangelista João propõe um poema. As orações da missa de Natal fazem o caminho noutro sentido: do Natal à Páscoa, do nascimento, pela crucifixão, à vida eterna. Senhor, faz-me sentir que a tua vinda é já a promessa da Páscoa!

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]