Advento 2016: Silêncio

Primeira Semana de Advento

27. Novembro. 2016

Sugestão com 5 tópicos (fé) para a primeira semana de Advento (27 de novembro a 3 de dezembro): fé professada, fé celebrada, fé vivida, fé anunciada, fé contemplada.

Fé professada

O Advento evoca o passado (Jesus veio: «encarnou pelo Espírito Santo, no seio da Virgem Maria,  e se fez homem»), aponta para o futuro (Jesus virá: «de novo há de vir, em sua glória, para julgar os vivos e os mortos»), mas também confirma o presente (Jesus vem: «Ele está no meio de nós»). Ficar apenas numa das «vindas» é empobrecer a dinâmica deste tempo.

Fé celebrada

O Advento celebra a tríplice vinda do Senhor Jesus: «prepara-nos para a sua vinda na graça da festa do Natal e para o seu regresso para o julgamento no fim dos tempos. […] Há, depois, uma outra vinda: escutamos estas leituras na assembleia eucarística, onde Cristo está verdadeiramente presente. No início do Tempo do Advento, a Igreja recorda-nos o ensinamento de São Bernardo: entre as duas vindas visíveis de Cristo, na história e no fim dos tempos, há uma vinda invisível aqui e agora» (Diretório homilético, 79).  Não se pode limitar à celebração do nascimento histórico de Jesus Cristo.

Fé vivida

O Advento começa com um apelo a intensificar a prática das obras de misericórdia. «Pela prática das boas obras, para ir ao encontro de Cristo» — diz a oração coleta da eucaristia do Primeiro Domingo de Advento («coleta», porque, rezada pelo presidente em nome de toda a assembleia, colige e exprime a oração de todos). As «boas obras» (obras de misericórdia) contribuem para tornar visível a presença («vinda») de Jesus Cristo, hoje.

Fé anunciada

O Advento anuncia uma espera vigilante. Estar vigilante não é viver assustados, cheios de medo face a uma provável desgraça. Estar vigilante é estar disponível para acolher a graça. Jesus traz (sempre) uma boa notícia («evangelho»). Jesus veio, vem e virá para nos oferecer um grande dom: a salvação.

Fé contemplada

O Advento abre à contemplação: uma espera silente e ativa. Não de uma forma mecânica, automática. Para que tal aconteça é preciso estar preparado: colocar um ícone de Maria no móvel de entrada; alterar a imagem do ecrã do computador; abrir as persianas para deixar entrar a luz; colocar uma estrela ou uma vela no local de trabalho,  ouvir uma música calma; ler um bom livro que convide à contemplação…