Quem Somos

Missão

Redescobrir o caminho da fé (para fazer brilhar, com evidência sempre maior, a alegria e o renovado entusiasmo do encontro com Cristo — A Porta da Fé, 2). A missão do Laboratório da fé é «ser o fermento de Deus no meio da humanidade, quer dizer anunciar e levar a salvação de Deus a este nosso mundo, que muitas vezes se sente perdido, necessitado de ter respostas que encorajem, dêem esperança e novo vigor para o caminho» (A Alegria do Evangelho, 114).

Visão

A visão do Laboratório da fé é tornar-se uma referência em propostas [recursos, materiais, métodos] («trilhos») que proporcionem a (re)descoberta do caminho da fé, através do «diálogo, encontro e intercâmbio entre as pessoas» (Cristo Vive, 87), em especial entre os jovens, e da formação de todos os agentes pastorais (evangelizadores).

Valores

Os valores do Laboratório da fé são o diálogo (escuta), a criatividade, a clareza, o discernimento e a alegria.

Inspiração

A inspiração do Laboratório da fé começa no Papa João Paulo II, passa pelo Papa Bento XVI, continua com o Papa Francisco. A expressão «laboratório da fé» foi proferida por João Paulo II, na Jubileu da Jornada Mundial da Juventude, em Roma (ano dois mil). O projeto «laboratório da fé» teve inicío em outubro de dois mil e doze, a propósito do Ano da Fé convocado por Bento XVI, do qual retiramos a frase orientadora: «redescobrir o caminho da fé». A renovação agora apresentada apoia-se no desafio de Francisco a comunicar a «alegria do Evangelho» e a uma «escuta pronta e atenta dos jovens». Assumimos como nossos «patronos» o jovem Carlos Acutis e São Filipe Néri.

«Cada um de vós pode encontrar dentro si mesmo a dialética feita de perguntas e respostas. Cada qual pode examinar as dificuldades que sente na fé e experimentar inclusive a tentação da incredulidade. Mas, ao mesmo tempo pode experimentar também uma gradual maturação na consciência e na convicção da sua própria adesão de fé.

Com efeito, neste admirável laboratório do espírito humano, que é o laboratório da fé, sempre se encontram mutuamente Deus e o ser humano».

João Paulo II

Jubileu do Ano 2000: Vigília da Jornada Mundial da Juventude

«Redescobrir o caminho da fé para fazer brilhar, com evidência sempre maior, a alegria e o renovado entusiasmo do encontro com Cristo. […]

Hoje é necessário um empenho eclesial mais convicto a favor duma nova evangelização, para descobrir de novo a alegria de crer e reencontrar o entusiasmo de comunicar a fé. Na descoberta diária do seu amor, ganha força e vigor o compromisso missionário dos crentes, que jamais pode faltar. Com efeito, a fé cresce quando é vivida como experiência de um amor recebido e é comunicada como experiência de graça e de alegria. A fé torna-nos fecundos, porque alarga o coração com a esperança e permite oferecer um testemunho que é capaz de gerar: de facto, abre o coração e a mente dos ouvintes para acolherem o convite do Senhor a aderir à sua Palavra a fim de se tornarem seus discípulos».

Bento XVI

A Porta da Fé, 2-7

Urge recuperar o caráter de luz que é próprio da fé, pois, quando a sua chama se apaga, todas as outras luzes acabam também por perder o seu vigor. De facto, a luz da fé possui um carácter singular, sendo capaz de iluminar toda a existência do ser humano.

Ora, para que uma luz seja tão poderosa, não pode dimanar de nós mesmos; tem de vir de uma fonte mais originária, deve porvir em última análise de Deus. A fé nasce no encontro com o Deus vivo, que nos chama e revela o seu amor: um amor que nos precede e sobre o qual podemos apoiar-nos para construir solidamente a vida. Transformados por este amor, recebemos olhos novos e experimentamos que há nele uma grande promessa de plenitude e se nos abre a visão do futuro. A fé, que recebemos de Deus como dom sobrenatural, aparece-nos como luz para a estrada orientando os nossos passos no tempo.

Francisco

A Luz da Fé, 4

Explicação do Logótipo

O balão, em primeiro lugar, remete para o diálogo pessoal e/ou interpessoal, que é o fundamento do LABORATÓRIO DA FÉ®, inspirado nas palavras do papa João Paulo II, na Vigília do Jubileu Mundial dos Jovens (ano 2000): «Cada um de vós pode encontrar dentro si mesmo a dialética feita de perguntas e respostas».
Este balão apresenta-se desconstruído em partes diferentes, em cujo interior se forma uma cruz, ponto de encontro dos vários caminhos de convergência para a fé (Deus); e também ponto de partida e abertura para a evangelização. Por isso, com esta imagem, também se pretende representar a unidade da fé e a diversidade dos itinerários de cada ser humano.

As cores (amarelo, vermelho, laranja) simbolizam o dom da fé, alicerçada na presença do Espírito Santo e na ação evangelizadora da Igreja, sem esquecer o compromisso/missão de cada cristão: anunciar a alegria do Evangelho.

O logótipo foi elaborado com o contributo de Helga Andrade e David Duarte — DESIGN-A-DOIS 

Pin It on Pinterest

Share This