Tempo Comum | Anos Pares

Primeira Carta de Pedro

23. Maio. 2016

O Batismo inspira grande parte do conteúdo e muito do vocabulário da Primeira Carta de Pedro, texto bíblico proposto na primeira leitura de segunda a sexta-feira da oitava semana (anos pares). Há quem considere esta carta como um conjunto de fragmentos de pregações e exortações batismais.

De segunda a sexta-feira da oitava semana do Tempo Comum (anos pares), a liturgia propõe a leitura semicontínua da Primeira Carta de Pedro.

O Batismo inspira grande parte do seu conteúdo e muito do seu vocabulário, a ponto de induzir os intérpretes a considerar a Carta composta na sua maioria por fragmentos de pregações e exortações batismais (1, 3; 1, 23; 2, 1-2; 3, 21-22).

Essas «homilias» insistem, de facto, na grande dignidade a que o Batismo elevou o ser humano e celebram a obra de Cristo, que operou o nosso resgate com o Seu sangue, fazendo-Se pastor das ovelhas desgarradas (1, 3; 1, 19-21; 2, 21-25; 3, 18-19).

Falam depois da natureza e das características do «Povo de Deus», a comunidade dos crentes à qual se começa a pertencer com o Batismo (2, 4-10), e do abismo que deve separar os batizados da vida precedente, levada no paganismo e «na ignorância» dos dons de Deus (1, 14; 2, 11; 4, 3); a liberdade cristã não é libertinagem (2, 16).

Os neobatizados devem dedicar-se à sua santificação (1, 3-3-17) e também ao testemunho junto dos pagãos, fechando-lhes a boca, com uma conduta de vida irrepreensível (2, 15; cf. também 2, 12; 3, 1; 3, 16).

A vida cristã deve ser orientada para as últimas realidades, porque é tempo de peregrinação (1, 17 e 2, 11).

A Carta é endereçada a cinco regiões da Ásia Menor (ou Anatólia) setentrional e central: o portador deve ter partido do Ponto (no mar Negro), descido à Galácia e à Capadócia (ao centro da Anatólia), voltando para Ocidente, para a província da Ásia, e subindo para Norte em direção à Bitínia (também ela junto do mar Negro, como o Ponto).

Dizendo que escrevia na Babilónia (5, 13), o autor data a sua carta num período sucessivo a 70 depois de Cristo, quando Roma foi chamada «Babilónia» pelo facto de ter destruído o Templo de Jerusalém, precisamente como os babilónios em 586 antes de Cristo. Por conseguinte, o autor é um discípulo que, depois da morte de Pedro {63 depois de Cristo), se sente devedor ao Apóstolo por causa daquilo que escreve.

© Lecionário Comentado | Editora Paulus
© Adaptado pelo Laboratório da fé