Terceiro domingo | Ano C

Todo o povo ouvia atentamente

14. Janeiro. 2016

A narração do livro de Neemias mostra o nascimento da profissão de fé estritamente unida à Escritura que se assume como Sagrada. Esdras e Neemias propõem-na como fundamento da identidade do povo. Lucas há de apresentar Jesus Cristo dizendo que nele se cumpre toda a Escritura. Em 2016, o terceiro domingo celebra-se no dia 24 de janeiro.

O terceiro domingo (Ano C), no qual se inicia a leitura contínua do evangelho segundo Lucas, situa-nos na temática da sacramentalidade da Palavra, na esteira dos mais recentes contributos eclesiais recebidos neste tempo depois do II Concílio do Vaticano, como o Sínodo dos Bispos, em 2008, dedicado à «Palavra de Deus na vida e missão da Igreja». Já celebrada pelo povo da Antiga Aliança (primeira leitura) e aclamada como «espírito e vida» (salmo), a Palavra assume a sua plena dimensão em Jesus Cristo. Ele é o Verbo feito carne que dá cumprimento a todas as promessas (evangelho). A nós, batizados, discípulos missionários, compete-nos promover a comunhão entre todos os membro do seu Corpo (segunda leitura).

«Todo o povo ouvia atentamente»

A mensagem central da primeira leitura aponta para a alegria causada pela redescoberta do Livro da Lei. É consensual que a sequência histórica dos factos narrados nos livros de Esdras e de Neemias não pode ser detalhada com precisão, porque existem muitas questões que não encontram neles uma resposta clara. Contudo, esta narração dá-nos a conhecer um facto importante na formação do cânon bíblico hebraico; e ajuda-nos a compreender que a redescoberta da Escritura dá força aos que a escutam e aos que a interpretam.
A afirmação de que os desígnios de Deus são preservados num conjunto de obras literárias é única no mundo antigo, um facto que só se dá em Israel.
O fragmento situa-se depois do regresso do exílio na Babilónia e testemunha um momento crucial na história das relações de Deus com Israel e com toda a Humanidade. Trata-se de uma ocasião em que o Espírito fala através das palavras escritas num rolo e, quando isto sucede, os corações humanos são tocados e transformados.
A cena descreve como Esdras abriu o Livro da Lei e, à vista de toda a assembleia, a partir de um lugar elevado, leu-o com voz clara. Entretanto, «todo o povo ouvia atentamente» e respondia dizendo: «Amen! Amen!». Que lição para as nossas assembleias litúrgicas!
Assinale-se que a leitura é acompanhada por uma interpretação: muito provavelmente, englobava a tradução do texto hebraico para o aramaico, pois esta era a língua falada pela maioria do povo depois do exílio.
A narração não indica a causa da tristeza entre o povo, mas destaca com mais clareza que se trata de um momento gozoso e libertador por causa da comunicação que brota da palavra: «a alegria do Senhor é a vossa fortaleza».

A narração do livro de Neemias mostra o nascimento da profissão de fé estritamente unida à Escritura que se assume como Sagrada. Esdras e Neemias propõem-na como fundamento da identidade do povo. Lucas há de apresentar Jesus Cristo dizendo que nele se cumpre toda a Escritura. A palavra escrita dá lugar à Palavra feita carne «descida ao coração de todo o crente». O fundamento da identidade cristã «amadurece constantemente no conhecimento, amor e seguimento de Jesus Mestre, se aprofunda no mistério de sua pessoa, de seu exemplo e de sua doutrina» (Documento de Aparecida, 278).

Primeira leitura própria do ano c

Neemias 8, 2-4a.5-6.8-10

Naqueles dias, o sacerdote Esdras trouxe o Livro da Lei perante a assembleia de homens e mulheres e todos os que eram capazes de compreender. Era o primeiro dia do sétimo mês. Desde a aurora até ao meio dia, fez a leitura do Livro, no largo situado diante da Porta das Águas, diante dos homens e mulheres e todos os que eram capazes de compreender. Todo o povo ouvia atentamente a leitura do Livro da Lei. O escriba Esdras estava de pé num estrado de madeira feito de propósito. Estando assim em plano superior a todo o povo, Esdras abriu o Livro à vista de todos; e quando o abriu, todos se levantaram. Então Esdras bendisse o Senhor, o grande Deus, e todo o povo respondeu, erguendo as mãos: «Amen! Amen!». E prostrando-se de rosto por terra, adoraram o Senhor. Os levitas liam, clara e distintamente, o Livro da Lei de Deus e explicavam o seu sentido, de maneira que se pudesse compreender a leitura. Então o governador Neemias, o sacerdote e escriba Esdras, bem como os levitas, que ensinavam o povo, disseram a todo o povo: «Hoje é um dia consagrado ao Senhor vosso Deus. Não vos entristeçais nem choreis». – Porque todo o povo chorava, ao escutar as palavras da Lei –. Depois Neemias acrescentou: «Ide para vossas casas, comei uma boa refeição, tomai bebidas doces e reparti com aqueles que não têm nada preparado. Hoje é um dia consagrado a nosso Senhor; portanto, não vos entristeçais, porque a alegria do Senhor é a vossa fortaleza».

© Secretariado Nacional de Liturgia