Browsing Category

Natal

Epifania17_SITE
Liturgia, Natal,

Onde está o rei dos judeus que acaba de nascer?

no comment

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” gutter_width=”3″ padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” column_padding_mobile=”on”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Subtítulo superior” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” text_font=”|||on|” text_text_color=”#f99f1c” custom_margin_last_edited=”on|tablet” custom_margin=”-20px|||” text_line_height=”1em” text_line_height_last_edited=”off|phone” custom_margin_tablet=”-50px|||”]

Epifania

[/et_pb_text][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”on” categories=”on” comments=”on” featured_image=”off” featured_placement=”below” parallax_effect=”on” parallax_method=”on” text_orientation=”left” text_color=”dark” text_background=”off” text_bg_color=”rgba(255,255,255,0.9)” module_bg_color=”rgba(255,255,255,0)” title_all_caps=”off” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” title_font=”|||on|” title_line_height=”1.3em” custom_margin=”-5px||-5px|” custom_margin_tablet=”-15px|||” custom_margin_last_edited=”on|desktop” title_font_size=”28px” title_font_size_last_edited=”on|desktop”] [/et_pb_post_title][et_pb_image admin_label=”Image” src=”http://labfe.pt/wp-content/uploads/2016/12/Epifania17_G.jpg” show_in_lightbox=”off” url_new_window=”off” use_overlay=”off” animation=”off” sticky=”off” align=”left” force_fullwidth=”off” always_center_on_mobile=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_margin_last_edited=”on|desktop”] [/et_pb_image][et_pb_divider admin_label=”Divider” color=”#f99f1c” show_divider=”on” divider_style=”dotted” divider_position=”top” divider_weight=”1″ hide_on_mobile=”off”] [/et_pb_divider][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” padding_mobile=”off” custom_margin=”-15px|||” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” parallax_2=”off” parallax_method_2=”off” column_padding_mobile=”on” custom_margin_tablet=”-65px|||” custom_margin_last_edited=”on|phone”][et_pb_column type=”1_3″][et_pb_text admin_label=”Data do dia” background_layout=”light” text_orientation=”center” header_text_color=”#794e0e” text_text_color=”#794e0e” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” header_font_size=”26″]

8. Janeiro. 2017

[/et_pb_text][et_pb_divider admin_label=”Divider” color=”#ffffff” show_divider=”off” divider_style=”solid” divider_position=”top” divider_weight=”1″ hide_on_mobile=”on” height=”5″] [/et_pb_divider][et_pb_image admin_label=”ASPAS” src=”http://labfe.pt/wp-content/uploads/2016/01/aspas_cima.png” show_in_lightbox=”off” url_new_window=”off” animation=”top” sticky=”on” align=”center” force_fullwidth=”off” always_center_on_mobile=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_margin=”||-20px|” use_overlay=”off”] [/et_pb_image][et_pb_testimonial admin_label=”Citação” url_new_window=”off” quote_icon=”off” use_background_color=”off” background_color=”#f5f5f5″ background_layout=”light” text_orientation=”left” quote_icon_color=”#c67e16″ body_text_color=”#c67e16″ use_border_color=”on” border_color=”#ffffff” border_style=”dotted” custom_margin=”5px|5px|5px|5px” custom_padding=”15px|15px||15px”]

A Epifania é a manifestação de Deus a “uns Magos vindos do Oriente”. Vista na perspetiva daqueles homens, pode-se apelidar o acontecimento de Festa dos Magos ou Dia de Reis, como é designado pela religiosidade popular. Mas o mais importante é que Deus se dá a conhecer e, neles, dá-se a conhecer a todas as pessoas de todos os tempos e culturas, até hojeEm 2017, em Portugal, a Epifania celebra-se no dia 8 de janeiro.

[/et_pb_testimonial][et_pb_divider admin_label=”Divider” color=”#ffffff” show_divider=”off” divider_style=”solid” divider_position=”top” divider_weight=”1″ hide_on_mobile=”on”] [/et_pb_divider][et_pb_blurb admin_label=”Ficheiro PDF” url_new_window=”off” use_icon=”on” icon_color=”#794e0e” use_circle=”off” circle_color=”#f99f1c” use_circle_border=”off” circle_border_color=”#f99f1c” icon_placement=”left” animation=”off” background_layout=”light” text_orientation=”center” use_icon_font_size=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” icon_font_size=”18″ font_icon=”%%206%%” body_text_color=”#794e0e” body_font=”|||on|”]

Epifania 2017

[/et_pb_blurb][/et_pb_column][et_pb_column type=”2_3″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” text_font_size=”17″ header_line_height_tablet=”1em” header_line_height=”3em”]

Não há fronteiras para o Evangelho: eis a Boa Nova do domingo da Epifania! Os Magos, migrantes daquela época, têm um papel decisivo e irreversível na revelação a todas as nações: viram uma estrela, puseram-se a caminho (evangelho). É uma estrela que brilha para todos, basta erguer o olhar: “Levanta-te […]. Olha ao redor e vê” (primeira leitura), proclama Isaías. E Paulo põe em destaque a universalidade: “os gentios recebem a mesma herança que os judeus” (segunda leitura). Sim, a salvação é para “todos os povos da terra” (salmo). O decisivo está na abertura pessoal do coração. Para quem a acolhe, a estrela da Epifania torna-se a estrela da alegria.

Onde está o rei dos judeus que acaba de nascer?

A Epifania é a manifestação de Deus a “uns Magos vindos do Oriente”. Vista na perspetiva daqueles homens, pode-se apelidar o acontecimento de Festa dos Magos ou Dia de Reis, como é designado pela religiosidade popular. Mas o mais importante é que Deus se dá a conhecer e, neles, dá-se a conhecer a todas as pessoas de todos os tempos e culturas, até hoje.

O evangelho segundo Mateus não contém um relato sobre o nascimento de Jesus Cristo. Há somente referências no final do primeiro capítulo e no início do segundo. Este começa com uma indicação geográfica e temporal: “Tinha Jesus nascido em Belém da Judeia, nos dias do rei Herodes”.

O episódio dos Magos substitui a narração do nascimento. O objetivo é teológico, pelo que, ao evangelista, também não lhe interessa a descrição dos personagens: diz apenas que são “uns Magos vindos do Oriente”.

“Onde está o rei dos judeus que acaba de nascer?” — perguntam ao chegar a Jerusalém. Mesmo sem o saber, eles são porta-vozes da busca que habita os homens e mulheres de todos os tempos. Onde está o sentido pleno da vida? Andamos à procura, vemos estrelas, pomo-nos a caminho, queremos encontrar a resposta.

A resposta é o Menino. A estrela é o Menino. Dos sinais externos passamos à pessoa: há que encontrar o Menino, Deus incarnado, Deus connosco. E vamos encontrá-lo no regaço de Maria, como não podia deixar de ser, pois é, através dela, que Deus se torna um ser humano.

Interioridade plena de luz

Os Magos acolheram o sinal, puseram-se a caminho, chegaram à meta. A partir desse momento, como lembrou Bento XVI, aquando da Jornada Mundial da Juventude em Colónia (20 de agosto de 2005), começou o caminho interior. O exemplo dos Magos mostra que a nossa viagem, o caminho da vida, só fica completa quando à peregrinação exterior associamos a peregrinação interior. Eles são os primeiros de uma longa lista de homens e mulheres que andam à procura de Deus. Por isso, a Epifania desafia a uma interioridade plena de luz. E, quem como os Magos se deixa iluminar interiormente pela presença de Deus, escolhe seguir “por outro caminho”, torna-se também ele luz para os outros. Em Ano Mariano, “a Virgem Maria nos ajude a sermos todos discípulos missionários, pequenas estrelas que refletem a sua luz” (Francisco, Angelus, 6 de janeiro de 2014).

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

natal-interioridade-GOOGLE
, Fé contemplada, Maria, Natal,

Natal 2016: Interioridade

no comment

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” gutter_width=”3″ padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” column_padding_mobile=”on”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Subtítulo superior” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_margin=”-20px||-2px|” text_font=”|||on|”]

Ano Pastoral 2016+17

[/et_pb_text][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”on” categories=”on” comments=”on” featured_image=”on” featured_placement=”below” parallax_effect=”on” parallax_method=”on” text_orientation=”left” text_color=”dark” text_background=”off” text_bg_color=”rgba(255,255,255,0.9)” module_bg_color=”rgba(255,255,255,0)” title_all_caps=”off” meta_font_size=”14″ use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”] [/et_pb_post_title][et_pb_divider admin_label=”Divider” color=”#f99f1c” show_divider=”on” divider_style=”dotted” divider_position=”top” divider_weight=”1″ hide_on_mobile=”off”] [/et_pb_divider][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” gutter_width=”3″ padding_mobile=”off” custom_margin=”-15px|||” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” parallax_2=”off” parallax_method_2=”off” column_padding_mobile=”on”][et_pb_column type=”1_3″][et_pb_text admin_label=”Data do dia” background_layout=”light” text_orientation=”center” header_text_color=”#794e0e” text_text_color=”#794e0e” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” header_font_size=”26″]

25. Dezembro. 2016

[/et_pb_text][et_pb_divider admin_label=”Divider” color=”#ffffff” show_divider=”off” divider_style=”solid” divider_position=”top” divider_weight=”1″ hide_on_mobile=”on” height=”5″] [/et_pb_divider][et_pb_image admin_label=”ASPAS” src=”http://labfe.pt/wp-content/uploads/2016/01/aspas_cima.png” show_in_lightbox=”off” url_new_window=”off” animation=”top” sticky=”on” align=”center” force_fullwidth=”off” always_center_on_mobile=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_margin=”||-20px|” use_overlay=”off”] [/et_pb_image][et_pb_testimonial admin_label=”Citação” url_new_window=”off” quote_icon=”off” use_background_color=”off” background_color=”#f5f5f5″ background_layout=”light” text_orientation=”left” quote_icon_color=”#c67e16″ body_text_color=”#c67e16″ use_border_color=”on” border_color=”#ffffff” border_style=”dotted” custom_margin=”5px|5px|5px|5px” custom_padding=”15px|15px||15px”]

O evangelista Lucas, por duas vezes, refere que Maria conservava todos estes acontecimentos, meditando-os em seu coração (capítulo 2, versículos 19 e 51). Conservar e meditar são dois verbos, duas atitudes essenciais na valorização da interioridade. Digamos que são complementares, na medida em que exprimem duas dimensões próprias da capacidade humana em recordar, fazer memória. Ainda que não se possa estabelecer uma divisão clara entre uma atitude e outra, é razoável associar o verbo conservar à memória “cerebral” (do cérebro) e o verbo meditar à memória “cordial” (do coração). O tempo de Natal decorre entre 25 de dezembro de 2016 e 8 de janeiro de 2017.

[/et_pb_testimonial][et_pb_divider admin_label=”Divider” color=”#ffffff” show_divider=”off” divider_style=”solid” divider_position=”top” divider_weight=”1″ hide_on_mobile=”on”] [/et_pb_divider][et_pb_blurb admin_label=”Ficheiro PDF” url_new_window=”off” use_icon=”on” icon_color=”#794e0e” use_circle=”off” circle_color=”#f99f1c” use_circle_border=”off” circle_border_color=”#f99f1c” icon_placement=”left” animation=”off” background_layout=”light” text_orientation=”center” use_icon_font_size=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” icon_font_size=”18″ font_icon=”%%206%%” body_text_color=”#794e0e” body_font=”|||on|”]

Natal 2016 PDF

[/et_pb_blurb][/et_pb_column][et_pb_column type=”2_3″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

A oportunidade de “um tempo diferente” mantém a pertinência na dinâmica litúrgica e pastoral que teve início no Advento e desemboca no Natal. O tempo caracterizado pelo silêncio, sugerido pelo filósofo Byung-Chul Han no ensaio intitulado Fecha os olhos, por favor, abre-nos ao sentido da vida, sentido esse que leva a mergulhar cada vez mais na profundidade do ser, na interioridade. Sim, a beleza e a grandeza do silêncio conduz à interioridade, temática proposta para o tempo de Natal (período que decorre entre os dias 25 de dezembro e 8 de janeiro). A partir do interior do ser, pelo silêncio, pode-se assimilar os acontecimentos, chegar à contemplação, encontrar um “tempo bom”, isto é, um tempo com ritmo, pois quando se perde o ritmo, “desaparece também todo o tempo justo ou bom”.

Mãe do recordar

Maria é uma mulher de interioridade: “interiorizada pela Palavra de Deus, que fez dela sua Mãe, e interiorizadora da Palavra de Deus, transformando-a no seu Filho” (Domingo Montero, Queremos ver Jesus!, Difusora Bíblica). A sua presença exprime-se de uma forma discreta mas oportuna, sem protagonismos. “Viveu na normalidade da fé, e viveu a fé com normalidade”. Deixou-se tocar pelo espanto da vida. O evangelista Lucas, por duas vezes, refere que Maria conservava todos estes acontecimentos, meditando-os em seu coração (capítulo 2, versículos 19 e 51). Conservar e meditar são dois verbos, duas atitudes essenciais na valorização da interioridade. Digamos que são complementares, na medida em que exprimem duas dimensões próprias da capacidade humana em recordar, fazer memória. Ainda que não se possa estabelecer uma divisão clara entre uma atitude e outra, é razoável associar o verbo conservar à memória “cerebral” (do cérebro) e o verbo meditar à memória “cordial” (do coração). A primeira, relacionada com o “arquivo de dados” na inteligência, corre sempre o risco do esquecimento. Até mesmo as tecnologias que se vangloriam da capacidade em armazenar dados estão sempre sujeitas à perda desses dados, quer seja por uma falha de funcionamento, quer pela erosão do tempo, quer pelos ataques deletérios perpetrados com a intenção de os fazer desaparecer. Nem o mais sofisticado backup se apresenta totalmente seguro. Ao contrário, a memória “cordial”, relacionada com o calor das vivências guardadas no coração, permanece para sempre, pois o “coração” jamais esquece as palavras e os acontecimentos que nele são conservados e meditados. “Maria ensina a interiorizar a vida, a depositá-la nesse espaço seguro, à prova de amnésias, que é o coração”. Maria é, pois, Mãe do recordar como evoca Chiara Casucci num poema musicado por Mite Balduzzi.  “Enquanto a memória cerebral se alimenta apenas de experiências, a memória cordial alimenta a esperança. E cultivar esta memória do coração não é uma ingenuidade: é a maior audácia. Só os fortes são capazes disso. A memória do coração sabe fazer da vida, com as suas luzes e as suas sombras, alegrias e sofrimentos, um ‘magnificat’ de gratidão, louvor e alegria, como soube Maria” (Domingo Montero). A vivência da interioridade, com e como Maria, impele-nos a fazer nosso o seu louvor pelas maravilhas de Deus operadas na sua vida e na nossa (a atitude do “louvor” vai dinamizar o Tempo Comum).

Laboratório da Fé contemplada

Maria conservava todos estes acontecimentos, meditando-os em seu coração (Lucas 2, 19). Ela conhecia parte da verdade. Há de tornar-se guardiã e mediadora do mistério daquele Menino, no qual se encontram e se reconciliam o divino e o humano. Por enquanto, a realidade é demasiado ampla para ser compreendida de um só fôlego; é preciso ir meditando-a no coração. Que belo testemunho de fé contemplada! Neste contexto, o entrelaçar destas duas atitudes (conservar e meditar) exprime-se na capacidade em rezar, isto é, ler a vida a partir de Deus: contemplar. A vida torna-se lugar da presença do divino, fica “grávida” de Deus para o “dar à luz” no quotidiano. É claro que a presença de Deus não depende de nós, até porque “Ele está no meio de nós”. E quando dizemos que Deus está no meio de nós não o afirmamos em termos geográficos, mas que está em nós, habita-nos: é Deus connosco. O desafio humano consiste em perceber e acolher essa presença, como Maria. Na verdade, a interioridade própria de uma fé contemplada não me pede um mero exercício de introspeção, mas o reconhecimento da presença de Deus em mim, no meu ser.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

StaMaria17_SITE
Liturgia, Maria, Natal,

Maria conservava todos estes acontecimentos, meditando-os em seu coração

no comment

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” gutter_width=”3″ padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” column_padding_mobile=”on”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Subtítulo superior” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” text_font=”|||on|” text_text_color=”#f99f1c” custom_margin_last_edited=”on|tablet” custom_margin=”-20px|||” text_line_height=”1em” text_line_height_last_edited=”off|phone” custom_margin_tablet=”-50px|||”]

Oitava do Natal

[/et_pb_text][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”on” categories=”on” comments=”on” featured_image=”off” featured_placement=”below” parallax_effect=”on” parallax_method=”on” text_orientation=”left” text_color=”dark” text_background=”off” text_bg_color=”rgba(255,255,255,0.9)” module_bg_color=”rgba(255,255,255,0)” title_all_caps=”off” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” title_font=”|||on|” title_line_height=”1.3em” custom_margin=”-5px||-5px|” custom_margin_tablet=”-15px|||” custom_margin_last_edited=”on|desktop” title_font_size=”28px” title_font_size_last_edited=”on|desktop”] [/et_pb_post_title][et_pb_image admin_label=”Image” src=”http://labfe.pt/wp-content/uploads/2016/12/StaMaria17_G.jpg” show_in_lightbox=”off” url_new_window=”off” use_overlay=”off” animation=”off” sticky=”off” align=”left” force_fullwidth=”off” always_center_on_mobile=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_margin_last_edited=”on|desktop”] [/et_pb_image][et_pb_divider admin_label=”Divider” color=”#f99f1c” show_divider=”on” divider_style=”dotted” divider_position=”top” divider_weight=”1″ hide_on_mobile=”off”] [/et_pb_divider][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” padding_mobile=”off” custom_margin=”-15px|||” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” parallax_2=”off” parallax_method_2=”off” column_padding_mobile=”on” custom_margin_tablet=”-65px|||” custom_margin_last_edited=”on|phone”][et_pb_column type=”1_3″][et_pb_text admin_label=”Data do dia” background_layout=”light” text_orientation=”center” header_text_color=”#794e0e” text_text_color=”#794e0e” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” header_font_size=”26″]

1. Janeiro. 2017

[/et_pb_text][et_pb_divider admin_label=”Divider” color=”#ffffff” show_divider=”off” divider_style=”solid” divider_position=”top” divider_weight=”1″ hide_on_mobile=”on” height=”5″] [/et_pb_divider][et_pb_image admin_label=”ASPAS” src=”http://labfe.pt/wp-content/uploads/2016/01/aspas_cima.png” show_in_lightbox=”off” url_new_window=”off” animation=”top” sticky=”on” align=”center” force_fullwidth=”off” always_center_on_mobile=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_margin=”||-20px|” use_overlay=”off”] [/et_pb_image][et_pb_testimonial admin_label=”Citação” url_new_window=”off” quote_icon=”off” use_background_color=”off” background_color=”#f5f5f5″ background_layout=”light” text_orientation=”left” quote_icon_color=”#c67e16″ body_text_color=”#c67e16″ use_border_color=”on” border_color=”#ffffff” border_style=”dotted” custom_margin=”5px|5px|5px|5px” custom_padding=”15px|15px||15px”]

Maria conservava todos estes acontecimentos, meditando-os em seu coração. Ela conhecia parte da verdade. Há de tornar-se guardiã e mediadora do mistério daquele Menino, no qual se encontram e se reconciliam o divino e o humano. Por enquanto, a realidade é demasiado ampla para ser compreendida de um só fôlego; é preciso ir meditando-a no coração. Que belo testemunho de fé contemplada! No primeiro dia do ano (1 de janeiro), a liturgia celebra a solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus.

[/et_pb_testimonial][et_pb_divider admin_label=”Divider” color=”#ffffff” show_divider=”off” divider_style=”solid” divider_position=”top” divider_weight=”1″ hide_on_mobile=”on”] [/et_pb_divider][et_pb_blurb admin_label=”Ficheiro PDF” url_new_window=”off” use_icon=”on” icon_color=”#794e0e” use_circle=”off” circle_color=”#f99f1c” use_circle_border=”off” circle_border_color=”#f99f1c” icon_placement=”left” animation=”off” background_layout=”light” text_orientation=”center” use_icon_font_size=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” icon_font_size=”18″ font_icon=”%%206%%” body_text_color=”#794e0e” body_font=”|||on|”]

Santa Maria 2017

[/et_pb_blurb][/et_pb_column][et_pb_column type=”2_3″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” text_font_size=”17″ header_line_height_tablet=”1em” header_line_height=”3em”]

Oito dias após a comemoração do nascimento de Jesus, a Igreja celebra a Mãe de Deus, Santa Maria. O oitavo dia do Menino é igualmente, segundo os rituais judaicos, o da circuncisão e da atribuição do nome (evangelho). As evocações de bênçãos próprias do primeiro dia do ano (primeira leitura e salmo) ligam-se com o gesto contemplativo dos pastores. E referindo-se ao “Filho, nascido de uma mulher e sujeito à Lei”, Paulo recorda que também nós somos filhos “por graça de Deus” (segunda leitura). Hoje é ainda o Dia Mundial da Paz, instituído em 1967 pelo beato Paulo VI.

Maria conservava todos estes acontecimentos, meditando-os em seu coração

No domingo após a Páscoa, a liturgia propõe o texto evangélico segundo João, no qual se diz que “oito dias depois” o Senhor Jesus Cristo voltou a encontrar-se com os discípulos, com todos! Eis consagrado o domingo como o dia do Senhor, o primeiro, o oitavo dia, o ciclo semanal do encontro com o Ressuscitado.

Em certo sentido, no primeiro dia do ano acontece o mesmo, uma vez que se dá a feliz coincidência com o domingo. Os pastores, no dia de Natal, encontraram tudo como o anjo lhes tinha dito; e “regressaram, glorificando e louvando a Deus”. Neste caso, o oitavo dia é o do pleno cumprimento dos anúncios a Maria, a José, aos pastores. Estes passam de recetores a emissores do anúncio (tal como os discípulos). Estamos na plenitude dos tempos!

Maria conservava todos estes acontecimentos, meditando-os em seu coração. Ela conhecia parte da verdade. Há de tornar-se guardiã e mediadora do mistério daquele Menino, no qual se encontram e se reconciliam o divino e o humano. Por enquanto, a realidade é demasiado ampla para ser compreendida de um só fôlego; é preciso ir meditando-a no coração. Que belo testemunho de fé contemplada!

Conservar contém a ideia de guardar na memória o que se vê e/ou escuta. Meditar remete para a capacidade de pensar sobre o que se vê e/ou escuta. São, portanto, termos que se completam mutuamente. Assim, a relação entre os dois pode-se traduzir pela capacidade em rezar, ler a vida a partir de Deus: contemplar.

Interioridade plena de paz

Conservar e meditar são atitudes de Maria que já se tinham evidenciado aquando da visita a Isabel. O Magnificat expressa a interioridade do ser que se sente agradecido pelas maravilhas realizadas por Deus. Por isso, é uma magnífica oração para ser rezada todos os dias deste “Ano Mariano”. Ao mesmo tempo, “nas mãos de Maria, Mãe do Redentor, coloquemos as nossa esperanças com confiança filial. A Ela, que estende a sua maternidade a todos os seres humanos, confiemos o brado de paz das populações oprimidas pela guerra e pela violência, para que a coragem do diálogo e da reconciliação prevaleça sobre as tentações de vingança, de prepotência e de corrupção. A Ela peçamos que o Evangelho da fraternidade, anunciado e testemunhado pela Igreja, possa falar a cada consciência e abater os muros que impedem aos inimigos que se reconheçam irmãos” (Francisco, Angelus, 1 de janeiro de 2014).

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

NatalA16_SITE
Liturgia, Natal,

A luz verdadeira, que ilumina todo o homem

no comment

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” gutter_width=”3″ padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” column_padding_mobile=”on”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Subtítulo superior” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” text_font=”|||on|” text_text_color=”#f99f1c” custom_margin_last_edited=”on|tablet” custom_margin=”-20px|||” text_line_height=”1em” text_line_height_last_edited=”off|phone” custom_margin_tablet=”-50px|||”]

Natal

[/et_pb_text][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”on” categories=”on” comments=”on” featured_image=”off” featured_placement=”below” parallax_effect=”on” parallax_method=”on” text_orientation=”left” text_color=”dark” text_background=”off” text_bg_color=”rgba(255,255,255,0.9)” module_bg_color=”rgba(255,255,255,0)” title_all_caps=”off” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” title_font=”|||on|” title_line_height=”1.3em” custom_margin=”-5px||-5px|” custom_margin_tablet=”-15px|||” custom_margin_last_edited=”on|desktop” title_font_size=”28px” title_font_size_last_edited=”on|desktop”] [/et_pb_post_title][et_pb_image admin_label=”Image” src=”http://labfe.pt/wp-content/uploads/2016/12/NatalA16_G.jpg” show_in_lightbox=”off” url_new_window=”off” use_overlay=”off” animation=”off” sticky=”off” align=”left” force_fullwidth=”off” always_center_on_mobile=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_margin_last_edited=”on|desktop”] [/et_pb_image][et_pb_divider admin_label=”Divider” color=”#f99f1c” show_divider=”on” divider_style=”dotted” divider_position=”top” divider_weight=”1″ hide_on_mobile=”off”] [/et_pb_divider][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” padding_mobile=”off” custom_margin=”-15px|||” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” parallax_2=”off” parallax_method_2=”off” column_padding_mobile=”on” custom_margin_tablet=”-65px|||” custom_margin_last_edited=”on|phone”][et_pb_column type=”1_3″][et_pb_text admin_label=”Data do dia” background_layout=”light” text_orientation=”center” header_text_color=”#794e0e” text_text_color=”#794e0e” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” header_font_size=”26″] 25. Dezembro. 2016 [/et_pb_text][et_pb_divider admin_label=”Divider” color=”#ffffff” show_divider=”off” divider_style=”solid” divider_position=”top” divider_weight=”1″ hide_on_mobile=”on” height=”5″] [/et_pb_divider][et_pb_image admin_label=”ASPAS” src=”http://labfe.pt/wp-content/uploads/2016/01/aspas_cima.png” show_in_lightbox=”off” url_new_window=”off” animation=”top” sticky=”on” align=”center” force_fullwidth=”off” always_center_on_mobile=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_margin=”||-20px|” use_overlay=”off”] [/et_pb_image][et_pb_testimonial admin_label=”Citação” url_new_window=”off” quote_icon=”off” use_background_color=”off” background_color=”#f5f5f5″ background_layout=”light” text_orientation=”left” quote_icon_color=”#c67e16″ body_text_color=”#c67e16″ use_border_color=”on” border_color=”#ffffff” border_style=”dotted” custom_margin=”5px|5px|5px|5px” custom_padding=”15px|15px||15px”]

O evangelho da “Missa do Dia” mostra que “a luz verdadeira” não corresponde às iluminações que preenchem as ruas e as casas. A “luz verdadeira” é a que “ilumina todo o homem”, a partir de dentro. Não é uma luz exterior, mas a luz que, na interioridade, ilumina o nosso ser. Em 2016, o dia de Natal coincide com o domingo (25 de dezembro).

[/et_pb_testimonial][et_pb_divider admin_label=”Divider” color=”#ffffff” show_divider=”off” divider_style=”solid” divider_position=”top” divider_weight=”1″ hide_on_mobile=”on”] [/et_pb_divider][et_pb_blurb admin_label=”Ficheiro PDF” url_new_window=”off” use_icon=”on” icon_color=”#794e0e” use_circle=”off” circle_color=”#f99f1c” use_circle_border=”off” circle_border_color=”#f99f1c” icon_placement=”left” animation=”off” background_layout=”light” text_orientation=”center” use_icon_font_size=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” icon_font_size=”18″ font_icon=”%%206%%” body_text_color=”#794e0e” body_font=”|||on|”] NATAL_2016 [/et_pb_blurb][/et_pb_column][et_pb_column type=”2_3″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” text_font_size=”17″ header_line_height_tablet=”1em” header_line_height=”3em”]

Em dia de Natal, o prólogo do evangelho segundo João suscita o nosso espanto: o evangelista acolhe a beleza do mistério e reflete-a numa linguagem também extraordinariamente bela. A Palavra, o Verbo, torna-se Luz (evangelho), a Boa Nova assume um rosto humano. Deus fala-nos pelo seu Filho (segunda leitura). Eis o motivo do nosso júbilo: «o Senhor consola o seu povo» (primeira leitura), «o Senhor deu a conhecer a salvação» (salmo). O Menino acabado de nascer é o nosso Deus. E Deus, em Jesus Cristo, declara definitivamente o seu amor a todas as pessoas. Vinde, adoremos!

«A luz verdadeira, que ilumina todo o homem»

João reenvia-nos para o «princípio» da Criação. A narrativa bíblica tem aí o seu início, nas primeiras letras do Génesis: «No princípio, Deus criou o céu e a terra». O que João designa como «Verbo» é, no princípio, a Palavra criadora de Deus.

Ainda no relato primordial, Deus começa por dizer: «Faça-se a luz». O prólogo joanino, organizado com a textura do Génesis, desperta-nos para a essência do Natal. Há um novo «princípio» que, sem anular o primeiro, dá-lhe sentido e plenitude. O evangelista lembra que a Palavra é a Luz, «a luz verdadeira, que ilumina todo o homem».

Há uma outra relação que se espelha na vida da Igreja. É o «lucernário» (rito da luz) que inicia a Vigília Pascal, no decorrer da qual também se proclama o trecho do Génesis. Aí está de novo a Palavra que é a Luz. A coincidência do Natal com o domingo (Páscoa semanal) celebra o nascimento de Jesus Cristo em dimensão pascal.

O escrito joanino propõe a leitura do nascimento de Jesus e dos acontecimentos posteriores como uma nova criação, um novo começo da história de Deus connosco. Aquele que cria é o que habita entre nós. Aquele que é Palavra e Luz «fez-Se carne».

A carne é o que nos permitir existir, mas também é o nosso limite. Quando Deus se faz um de nós, aceita o que nos limita; as nossas fraquezas, medos, sofrimentos, dores, são assumidas por Deus.

O Natal, a partir de Deus, é a habitação na nossa carne para a «iluminar» com a luz da Páscoa. O Natal, a partir de nós, é a plena incarnação dos nossos limites, para os deixar «iluminar» por Deus.

Interioridade

O evangelho da «Missa do Dia» mostra que «a luz verdadeira» não corresponde às iluminações que preenchem as ruas e as casas. A «luz verdadeira» é a que «ilumina todo o homem», a partir de dentro. Não é uma luz exterior, mas a luz que, na interioridade, ilumina o nosso ser. «No Natal, Deus entrega-se totalmente a nós, oferecendo-nos o seu único Filho, que é toda a sua alegria. E somente com o Coração de Maria, a humilde e pobre filha de Sião, que se tornou Mãe do Filho do Altíssimo, é possível exultar e alegrar-se pelo imenso dom de Deus e pela sua surpresa imprevisível. Que Ela nos ajude a sentir o enlevo […] devido à Natividade de Jesus, o dom dos dons, o presente imerecido que nos traz a salvação. O encontro com Jesus levar-nos-á, também a nós, a sentir esta grandiosa surpresa!» (Francisco, Angelus, 20 de dezembro de 2015).

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]