Uma liturgia simples e bela

Terceiro domingo — Ano C

22. Janeiro. 2016

No terceiro domingo (Ano C) iniciamos a leitura contínua do evangelho segundo Lucas, que será o nosso «guia» durante os domingos deste Ano Santo (Jubileu Extraordinário) da Misericórdia.

Apresentamos algumas sugestões como contributo para «uma liturgia simples e bela, sinal da comunhão entre Deus e os seres humanos».

No terceiro domingo (Ano C) iniciamos a leitura contínua do evangelho segundo Lucas, que será o nosso «guia» durante os domingos deste Ano Santo (Jubileu Extraordinário) da Misericórdia — entre 8 de dezembro de 2015 e 20 de novembro de 2016 — proclamado pelo papa Francisco. O terceiro evangelho está repleto de imagens e de atos misericordiosos realizados por Jesus Cristo. Não é de estranhar que Dante Alighieri tivesse definido Lucas como esta bela expressão: «Scriba mansuetudinis Christi», isto é, «escritor da misericórdia de Cristo».

Liturgia da Palavra

O terceiro domingo (Ano C), no qual se inicia a leitura contínua do evangelho segundo Lucas, situa-nos na temática da sacramentalidade da Palavra, na esteira dos mais recentes contributos eclesiais recebidos neste tempo depois do II Concílio do Vaticano, como o Sínodo dos Bispos, em 2008, dedicado à «Palavra de Deus na vida e missão da Igreja». Já celebrada pelo povo da Antiga Aliança (primeira leitura) e aclamada como «espírito e vida» (salmo), a Palavra assume a sua plena dimensão em Jesus Cristo. Ele é o Verbo feito carne que dá cumprimento a todas as promessas (evangelho). A nós, batizados, discípulos missionários, compete-nos promover a comunhão entre todos os membro do seu Corpo (segunda leitura). [LER MAIS]

Palavra para hoje

Ele abre o livro para nós

A Liturgia da Palavra interpela-nos com toda a força desde a primeira leitura até ao evangelho. Esdras «abriu o Livro» como o fará Jesus Cristo. A multidão adere ao que ele lê e «chora» ao escutar as palavras da Lei. Uma bela expressão conclui esta liturgia: «A alegria do Senhor é a vossa fortaleza». Fortes são também as palavras de Paulo: «Vós sois corpo de Cristo». Elas destinam-se a nós, hoje. A nós? Sim, a nós, Igreja, assembleia eucarística. Por fim, o evangelho dá toda a plenitude às leituras. Jesus Cristo celebra. Ele «abre o livro», em Nazaré. Ele abre o livro, hoje, no meio de nós. Compete-nos acolher este mistério. «Hoje é um dia consagrado a nosso Senhor». Hoje é um dia consagrado pelo Senhor, presente no meio de nós.

A arte de celebrar

O Livro

Ainda que nós, cristãos, não sejamos uma religião do Livro, mas da Palavra, o livro da palavra de Deus deve ser belo e merecedor de respeito: é um elemento importante na Liturgia da Palavra. Vale a pena, por isso, interrogar-se sobre a maneira como os livros bíblicos (lecionário e evangeliário) são tratados, de modo especial, no decorrer da celebração. Onde se colocam antes das leituras e depois do evangelho? Sobre o ambão — lugar litúrgico reservado à Palavra de Deus —, sobre o altar, «arrumados» em qualquer lugar? Não é oportuno colocá-los sobre a credência ou outra mesa: o seu lugar é o ambão durante toda a celebração (a não ser que haja um local específico para o colocar — especialmente o evangeliário — voltado para a assembleia, e aí poderá permanecer até para além da celebração eucarística; neste caso, no final da proclamação do evangelho repete-se o canto da aclamação enquanto o diácono ou o presbítero depõem o evangeliário nesse local).

comunidade

Dia da Bíblia

«Hoje é um dia consagrado a nosso Senhor» — proclama Neemias, na primeira leitura. E ouvimos falar de sacerdotes e profetas que meditam longamente as Escrituras juntamente com o povo, e fazem uma festa a propósito da palavra de Deus. Eis um belo exemplo, uma bela ideia para ser preparada pela equipa paroquial de liturgia: o dia da Bíblia (além de ainda ser possível realizá-lo num dos domingos deste ano, fica a possibilidade de deixar registado desde já no calendário: 27 de janeiro de 2019). 

Apresentação solene do Evangeliário

O início da leitura contínua do evangelho segundo Lucas é uma bela oportunidade para uma simples iniciativa que consiste em fazer a apresentação solene do evangeliário: na procissão de entrada (transportado pelo diácono ou pelo presidente da celebração, colocado sobre o altar); ou, pelo menos, antes da proclamação do evangelho (colocado antecipadamente sobre o altar, o evangeliário é transportado para o ambão durante a aclamação ao evangelho; no fim da proclamação, pode ficar sobre o ambão ou ser colocado num local diante da assembleia, equanto se repete o refrão da aclamação ao evangelho).

catequese

Sacerdote, escriba, levita

— palavras da primeira leitura

Os sacerdotes, os levitas e os escribas eram pessoas que trabalhavam no templo de Jerusalém e nas sinagogas (pequenos espaços de reunião dos judeus). Eles tinham tarefas religiosas muito importantes, embora nem sempre eles se tenham portado bem! Tal como nessa altura, também a Igreja precisa de pessoas que assumam responsabilidades na Igreja, como os padres, os acólitos ou os leitores. Qual é a tua tarefa na tua paróquia? [LITURGIA DIÁRIA JÚNIOR]

Para ajudar a memorizar pode-se preparar uma «sopa de letras» com estas três palavras e acrescentar, por exemplo, os nomes próprios presentes na primeira leitura: Esdras, Neemias.

Pergunta da semana

Abro diariamente o livro da Palavra de Deus?

PARTILHA A TUA RESPOSTA